Auto Esporte

Autonews

sexta-feira, 30 de maio de 2008

■ Como funciona a compra de um carro - Parte 2

O que saber antes de ir

Sobre você

Como os vendedores lucram
Há três maneiras dos vendedores lucrarem com você. Não se deixe enganar!
  1. O preço do seu carro usado negociado na troca.
  2. O processo de negociação do preço do carro novo.
  3. Mudança de termos na hora de assinar o contrato.
Fonte: CarBuyingTips.Co

Antes de começar a pensar em coisas legais como a escolha de um conversível ou um esportivo, você precisa fazer um auto-exame. Antes de mais nada, é preciso checar seu orçamento, estabelecendo um limite de preço razoável para o carro e começar a eliminar os carros além desse limite. Como um comprador em potencial, você precisa ser realista. Não fantasie um carro de R$ 45 mil se seu orçamento só permite um de R$ 22 mil. Além disso, lembre-se que tentar achar um jeito de comprar um carro que está fora do seu orçamento não é uma boa idéia, afinal, não é muito divertido ter um carro se você não tem dinheiro para ir aos lugares com ele.

Finalmente, você precisa saber quais são as suas necessidades:

  • Você precisa carregar equipamento pesado? Pense em uma picape.
  • Você tem uma família grande ou dá carona para seus colegas? Pense em uma minivan, uma perua ou um utilitário esportivo grande.
  • Você mora em uma área onde precisa mais de tração? Pense em um utilitário esportivo com tração nas quatro rodas.
  • Você viaja longas distâncias ou usa o carro raramente? Se você viaja longas distâncias, pesquise carros que consumam pouco combustível.
  • Pense num carro flexível em combustível ("flex") se você mora numa região onde a diferença de preço entre o álcool e a gasolina é grande, caso do Sudeste. Você gastará menos reais para rodar. Mas como quase 90% dos carros disponíveis no mercado brasileiro são "flex", são poucas as chances de encontrar um só a gasolina.
  • Você precisa de um reboque - talvez para cavalos ou um barco? Considere uma picape pesada ou um utilitário esportivo com engate para reboque.
Há várias opções de escolha hoje. Saber suas necessidades é a maneira mais fácil de começar a eliminar algumas dessas opções. Eventualmente, com alguma pesquisa adicional, você conseguirá diminuir consideravelmente o número de opções.


Foto cortesia de Edmunds.com
Crédito: Scott Jacobs
O test-drive tem um papel essencial na compra de um carro

Sobre o carro

Quando descobrir qual carro você quer (ou quais carros quer ver mais de perto - pense em fazer um test-drive, em testá-lo), há algumas coisas que você deve saber sobre esse (s) carro (s) para que você consiga o melhor negócio possível quando estiver pronto para efetuar a compra. Você precisará saber o preço médio do carro, para não pagar mais do que deve, e ter uma boa idéia do preço-base (o preço de um carro sem nenhum opcional especial), indo a concessionárias e usando a internet. Deverá também ter uma idéia de quanto o revendedor vai acrescentar por vários opcionais como ar-condicionado, um CD player , direção hidráulica ou freios ABS. Se puder, tente descobrir qual é o preço de concessionária e negocie sobre esse valor. De acordo com o Consumer Reports, é muito melhor fazer isso do que negociar sobre o preço de tabela.

Além de visitar as concessionárias para fazer sua pesquisa, você também pode ler sobre o carro em revistas e sites especializados, descobrindo quais carros receberam as melhores classificações em itens como segurança, consumo e assim por diante. Quando sua lista estiver com poucas possibilidades, você deve reavaliar as marcas e modelos escolhidos.

Outra boa maneira de saber mais sobre um carro é perguntar para sua família, amigos, colegas de trabalho e vizinhos. Entre essas pessoas certamente encontrará alguém que tenha ou já teve um carro da marca ou modelo que você deseja.

Finalmente, se pretende usar o seu carro na troca, precisa saber o preço desse carro. Lembre-se que alguns revendedores ganham muito dinheiro pagando pouco pelo seu usado.

Pagamento

Preço de tabela x preço de mercado
O Preço de Tabela é o preço público sugerido pelo fabricante para cada modelo e suas versões, desde as básicas às mais dotadas dos itens opcionais de fábrica.

O Preço de Mercado (ou preço de venda praticado) é o que o mercado aceita pagar. Em qualquer caso o frete está incluído no preço.

Lembre-se de que o preço de mercado não inclui IPVA e licenciamento.

Ótimo, você encontrou o carro perfeito. Antes de pensar em comprá-lo, precisa saber como vai pagar por ele. Se, por algum milagre, você economizou o suficiente para pagar à vista, não precisará de financiamento. Porém, a maioria dos compradores faz a compra dando uma entrada e então financia o restante - fazendo pagamentos mensais até o empréstimo ser quitado. Lembre-se de que um financiamento é um empréstimo e, como em todos os empréstimos, você tem que pagar imposto sobre operações financeiras (IOF) e juros. Para não pagar uma fortuna em juros, você deve pagar o máximo possível na entrada.

Se você sabe que vai financiar o carro, precisa procurar a menor taxa de juros e atender às qualificações exigidas pela financeira. Talvez você esteja comprando um carro pela primeira vez ou tenha crédito perfeito, aí pode considerar-se aprovado. Leia com atenção as letras miúdas no contrato - a taxa de juros ao mês precisa estar claramente especificada.


Foto cortesia de Edmunds.com
Crédito: Scott Jacobs

Concessionárias de carros, como qualquer outro negócio, precisam ganhar dinheiro. Então, é bastante razoável assumir que os revendedores estão lá para vender um carro para você e ganhar o máximo possível na negociação. Como consumidor, você quer o melhor produto pelo menor preço. Para atingir esse objetivo, é preciso evitar as armadilhas mais comuns e caras na compra de um carro. Aqui estão alguns aspectos a serem considerados antes da compra:

  • Fique atento aos feirões e promoções.
  • A competição faz o melhor preço. Saiba o que os outros revendedores estão cobrando pelo carro e então a negociação será nos seus termos, não nos do revendedor.
  • Carros que precisam ser encomendados à fábrica NÃO devem custar mais que os carros para pronta entrega. Não seja enganado.
  • Tome cuidado ao deixar um revendedor localizar um carro que você queria em outra concessionária. Eles normalmente cobram taxas desnecessárias.
  • Não se deixe levar pelas propagandas. Faça sua pesquisa independente. E nas propagandas (principalmente nos panfletos), preste atenção nas letras pequenas no rodapé das páginas em que estão as verdadeiras condições de pagamento.
  • Ao comprar um carro novo, preste atenção se ele não está saindo de linha ou se há grandes modificações nas próximas linhas. Se isso acontecer poder haver problemas de peças de reposição.

Uma coisa que irrita a maioria dos compradores é saber que eles terão que negociar. Não tenha medo de negociar. Se você entrar na concessionária com uma idéia muito boa do que você quer e do quanto quer pagar, a negociação é problema deles, não seu. Você fez a sua parte e agora o revendedor tem que trabalhar para chegar o mais perto possível do preço que você quer pagar.

Um truque comum acontece depois que você decide comprar o carro: neste momento, o vendedor pode querer lhe vender toda sorte de acessórios, muitas vezes como condição para concretizar a compra. Isto pode significar de centenas até milhares de reais. Não caia nessa armadilha. Você concordou com um preço correspondente a um carro conforme sai da fábrica e não é obrigado a equipá-lo.

Não tenha medo de ir embora da concessionária se achar que está sendo explorado. Afinal, o dinheiro é seu e você não quer perdê-lo só porque não reclamou.

Outra tentativa de arrancar mais dinheiro do seu bolso é o despachante que trabalha para a concessionária cobrar muito pelo serviço de licenciamento. Os valores de IPVA, seguro obrigatório (DPVAT) e taxa de licenciamento são fixos e conhecidos (o despachante é obrigado a lhe informar), de modo que você pode e deve negociar esse preço


Foto cortesia de Edmunds.com
Crédito: Scott Jacobs

Conforme o Car Buying Tips.com (em inglês), mais uma coisa para se manter em mente é que compradores que colocam seu carro usado no negócio estão entre as pessoas mais crédulas do mundo. Os revendedores de carro podem fazer pilhas de dinheiro oferecendo um valor abaixo do valor de mercado para seu carro usado. Além disso, eles já estão lucrando bastante com sua nova compra. Certamente também venderão seu carro usado por muito mais do que pagaram. É comum, por exemplo, eles avaliarem o seu carro considerando o ano de fabricação e não o ano-modelo, de maneira a desvalorizá-lo, mas na hora de revender o carro que foi seu, o que vale é o ano-modelo.

Se você estiver armado com uma idéia realista do valor do seu usado, saberá se o revendedor está tentando levar vantagem. Se além do usado você ainda tem dinheiro para dar de entrada e seu usado está em boas condições, pode considerar vender o carro por conta própria. Nesse caso, você pode conseguir um preço melhor pelo carro.

Se você comprar um carro usado, ele ainda pode estar na garantia contratual do fabricante ou você terá a opção de comprar a garantia estendida. Qualquer tipo de garantia que você tenha, saiba o que está coberto e o que não está.

Se você desconfia que comprou um "abacaxi" ou um carro ruim, você pode recorrer. O Código de Defesa do Consumidor permite que você processe um revendedor por vender um carro ruim. Se você está se sentindo enganado, veja o que pode fazer sobre isso. Visite o site do Procon para ter outras dicas de cuidados que se deve ter na compra de um carro usado.


Foto cortesia de Edmunds.com
Crédito: Scott Jacobs

Quando você fizer uma compra grande, não dê chance para o azar. O único modo de aumentar suas chances de fazer o melhor negócio possível é saber de tudo antes de ir às compras. Se você sabe que tipo de carro quer, o quanto espera pagar por ele e quais são os seus direitos, deverá ter uma experiência positiva na compra. Assim, siga nossas dicas e esteja pronto para se divertir na estrada.

Nenhum comentário: