Auto Esporte

Autonews

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Saiba tudo sobre pintura automotiva - Reparo


Moda, televisão e novela ditam as tedênciam das novas cores automotivas

Seguro:
Buscando entender o efeito das variações de cores na segurança, a Universidade de Monash, em Melbourne (Austrália) analisou 17 tonalidades e as comparou aos dados da polícia de dois estados australianos. Resultado: a cor parece mesmo interferir na sorte do condutor. A branca foi eleita a tonalidade mais segura. Segundo as pesquisas, a probabilidade de um carro branco sofrer acidente é 12% menor do que um veículo preto. Mesmo com uma procura menor, as cores claras ainda têm mais uma vantagem. No Brasil, algumas seguradoras oferecem desconto para os donos de automóveis brancos. Desde 2004, a Mapfre concede descontos aos proprietários de carros claros. "Elas influenciam principalmente em situações de acidentes noturnos e atropelamentos", afirma o diretor executivo da seguradora Maurício Galian.


Inspiração para criar as cores:
Quem nunca pensou em ter um carro vermelho Ferrari ou prata Mercedes-Benz? Você se lembra do Fiesta verde-limão? Toda a marca ao criar uma cor implanta nela a sua identidade. Mas de onde vem a inspiração para fazer as novas tonalidades? As montadoras e fábricas garantem que tudo pode ser motivo para surgirem novas idéias. “Moda, televisão, até novela. Tem cliente nosso que já disse: ‘Eu quero uma tinta com a cor do sofá daquela novela’”, afirma Cláudia
, da Basf. Mas, nem só da cultura vem a motivação. “A inspiração vem de diferentes fontes - de uma pérola diferente, de um animal colorido, dos diferentes materiais da natureza”, afirma Pargas, da DuPont.
A sugestão inicial é das montadoras que pedem uma tonalidade. Os técnicos são responsáveis por desenvolver a tinta em cima dessa sugestão. “As montadoras mais novas, que surgiram do ano 2000 em diante, costumam apresentar as cores do Brasil iguais as da Europa. Mas, com as montadoras mais tradicionais, podemos sugerir algumas tonalidades”, informa Cláudia. “Reciclamos nossas cores, até partículas de metal e pérolas, de dois a três anos para seguir a tendência do mercado e se ajustar ao perfil de cada carro”, afirma Adília, que conclui: “Existem sites que são a fonte de inspiração para todas as marcas do mundo inteiro. Eles seguem a moda e nós as adaptamos para o perfil de cada país”.



Reparo:
Uma simples encostadinha na parede ou no portão na hora de estacionar o carro já é o suficiente para tirar a pintura do carro. Por isso, o para-choque costuma ser a peça com o maior volume de repintura. “Entre 10 casos que atendemos por dia, 8 são para reparo do para-choque”, afirma Hochheim. Já na produção, a peça exige um cuidado especial e uma pintura diferenciada pelo tipo de material com que é fabricada. A repintura da peça custa em média R$ 300.
Procurar oficinas para repintar o automóvel, só mesmo para colorir as peças. Atualmente pintar o carro inteiro por causa de um reparo é cada vez mais raro. “Além de caro, o serviço é trabalhoso e não compensa. Não existe mais a preocupação que a repintura ficará com a tonalidade diferente da cor do carro original”, diz Hochheim, que apresenta na sua oficina uma máquina de tintas que fábrica as tonalidades em que vai trabalhar.


O polimento é utilizado em indústrias para eliminação de impurezas, sobras de tinta e falha na pintura

Fonte: Auto Esporte

Nenhum comentário: