Auto Esporte

Motor1.com - Motorsport -

Calculadora de rodas

Wheel-Size.com

sexta-feira, 30 de maio de 2008

■ Como funciona a compra de um carro - Parte 1

Introdução

Todo mundo que pretende comprar um carro precisa ter algumas dicas valiosas para uma boa escolha. Principalmente se é sua primeira compra.

Comprar um carro é decidir também sobre o quanto seu bolso agüenta pagar. Certamente existe muita coisa que você precisa entender antes de ir correndo a uma concessionária, mas tão logo entenda o que os termos significam e como funciona o financiamento, estará pronto para conseguir o melhor preço possível pelo modelo que escolheu.


Foto cortesia de Edmunds.com
Crédito: Scott Jacobs

Neste artigo, falaremos sobre a compra de carros novos e usados, o que você precisa saber antes de decidir comprar, como evitar as armadilhas mais comuns, como conseguir o melhor preço e o que fazer se houver um problema com sua compra.

Alteração do hodômetro
O hodômetro permite que você saiba quantos quilômetros o carro rodou. A quilometragem do carro usado afeta seu preço de venda. Por exemplo, quanto maior a quilometragem, menor é o valor do carro. Por esse motivo, algumas pessoas inescrupulosas alteram a leitura desse aparelho. Apesar de ser crime tentar diminuir a quilometragem ou mudar a leitura do hodômetro, isso não evita que as pessoas o façam.
A primeira coisa que você deve decidir antes de começar a procurar um carro para comprar é se quer um novo ou um usado. Claro que existem vantagens e desvantagens em ambas as opções. Caso decida por um carro usado, há várias coisas que precisa ter em mente.

No Brasil, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) registra cerca de 400 mil acidentes por ano nas cidades e estradas do País. Se você está no mercado em busca de um carro usado, há chances de que encontre um que tenha se envolvido em um acidente. O mais importante na compra de um carro usado é saber tudo sobre o histórico dele, incluindo:

  • o número de proprietários anteriores;
  • se o carro alguma vez sofreu em um acidente;
  • qualquer problema mecânico anterior;
  • o histórico de manutenção do carro.

Um dos maiores benefícios de comprar um carro usado é que você geralmente pode fazer um grande negócio e, em muitos casos, comprar até mesmo um veículo relativamente novo. Compradores que obtêm sucesso na compra de carros usados ficam tão felizes com seus carros quanto os compradores de carros novos. Mas lembre-se de que as piores histórias sobre a compra de carros envolvem os carros usados. Quando você tiver uma boa idéia de qual carro atende melhor às suas necessidades e orçamento, pode começar sua procura por carros usados.

Há vários lugares para encontrar um carro usado:

  • uma revendedora de carros usados;
  • uma grande concessionária especializada em carros usados;
  • feirões de carros usados;
  • muitas concessionárias de carros novos também vendem carros usados;
  • sites de carros usados, muitas vezes ligados aos revendedores;
  • classificados impressos ou na internet.


Foto cortesia de Edmunds.com
Crédito: Scott Jacobs
Você encontrará uma grande variedade de fabricantes e modelos em um lote de carros usados

Tenha em mente que os classificados são usados tanto pelos revendedores como pelos proprietários. Alguns revendedores usam até sites de carros usados na internet. Transações diretas com pessoas que você conhece e classificados online ou impressos são boas opções se você quiser evitar uma concessionária. De acordo com a Car Buying Tips.com (em inglês), não importa sua preferência, se você decidir comprar um carro usado, há quatro providências que vão aumentar suas chances de sucesso:

  1. Peça a um mecânico de sua confiança para fazer uma inspeção completa no carro num elevador e verificar danos - qualquer coisa que possa indicar acidente, desgaste excessivo ou inundação.

  2. Consiga o número do Renavam para investigar sobre o carro pelo site do Denatran, onde será possível ver, por exemplo, o número de multas, observações e se o carro foi roubado. Se você se interessar por mais outros detalhes, pode fazer uma pesquisa no Detran (Departamento Estadual de Trânsito) de sua cidade e saber, por exemplo, o número de proprietários do carro.

  3. Nunca assine o termo "nas condições em que se encontra". Muitos revendedores de carros usados tentam incluir esse termo nos documentos que você terá que assinar. Como em qualquer situação onde você precise assinar alguma coisa, LEIA ANTES DE ASSINAR. Por lei, você tem direito a 90 dias de garantia para ter certeza de que o carro está em boas condições. Se assinar um termo "nas condições em que se encontra", assim que você sair da loja com o veículo, qualquer coisa que venha a dar errado é problema seu. Revendedores sérios acabam oferecendo garantias maiores que as exigidas por lei.

  4. Tenha seu financiamento e crédito aprovados antes de ir comprar o carro, se você for adquirir um financiamento por banco.

Se você seguir essas instruções simples, a experiência de comprar um carro usado deverá ser tranqüila. Lembre-se de que comprar um carro usado em uma concessionária é como comprar um carro novo em uma concessionária. Você deve estar munido de todas as informações relevantes antes de comprar qualquer tipo de carro, seja novo ou usado.

Consulte o guia
Se você está à procura de um carro usado, talvez seja interessante consultar um guia de preços, comum em jornais, revistas especializadas ou em sites como o Uol, que disponibiliza o serviço.

Lembre-se de que são apenas guias e devem ser usados como tal. Os preços listados geralmente são para carros em boas condições e com "quilometragem razoável" - aproximadamente 20 mil km por ano. Se o carro tiver uma quilometragem muito acima disso ou estiver em más condições, o preço de venda deve ser menor do que o listado no guia.


A internet é sua melhor amiga

Não importa se você está comprando um carro novo ou usado, sem dúvida a internet é uma grande ferramenta. Se você for comprar um carro novo, pode verificar por quanto ficaria com os opcionais que deseja. Se você fizer sua lição de casa, poderá ir a uma concessionária munido de informações valiosas.

Para começar, uma sugestão é visitar o site dos fabricantes para ver os carros e opções disponíveis. Geralmente, você pode localizar concessionárias e fazer cotações ou ver o Preço de Tabela. Aproveite para verificar no site do fabricante a garantia dos carros. Saiba que há três tipos de garantia:

- legal: 90 dias, determinada pelo Código de Defesa do Consumidor;
- contratual: é a que o fabricante oferece espontaneamente e varia de 1 a 3 anos, havendo alguns casos de 5 anos. O tempo da garantia contratual inclui os 90 dias da garantia legal. Às vezes o termo de garantia estabelece limite de quilometragem, prevalecendo o que vence antes;
- estendida: é paga pelo comprador para cobertura de reparos depois de expirada a garantia contratual. Lembre-se que as garantias estendidas são uma maneira de o concessionário tirar mais dinheiro da sua conta bancária.
Então, saiba exatamente que tipo de garantia estendida você quer e o quanto está disposto a pagar por ela.

Assim que tiver diminuído seu leque de escolhas, você poderá pesquisar em uma série de outros sites como de lojas de automóveis para obter mais informações de preços.

Além de usar a internet para pesquisar o carro que quer comprar, você também pode verificar suas opções de financiamento.


Foto cortesia de Edmunds.com
Crédito: Scott Jacobs
Deixe seus dedos caminharem para não ter que suar seus pés. Use a internet para encontrar seu carro.

Agora que você sabe onde começar a pesquisa, vamos analisar o que deve saber antes de ir às compras.

■ Como funciona a compra de um carro - Parte 2

O que saber antes de ir

Sobre você

Como os vendedores lucram
Há três maneiras dos vendedores lucrarem com você. Não se deixe enganar!
  1. O preço do seu carro usado negociado na troca.
  2. O processo de negociação do preço do carro novo.
  3. Mudança de termos na hora de assinar o contrato.
Fonte: CarBuyingTips.Co

Antes de começar a pensar em coisas legais como a escolha de um conversível ou um esportivo, você precisa fazer um auto-exame. Antes de mais nada, é preciso checar seu orçamento, estabelecendo um limite de preço razoável para o carro e começar a eliminar os carros além desse limite. Como um comprador em potencial, você precisa ser realista. Não fantasie um carro de R$ 45 mil se seu orçamento só permite um de R$ 22 mil. Além disso, lembre-se que tentar achar um jeito de comprar um carro que está fora do seu orçamento não é uma boa idéia, afinal, não é muito divertido ter um carro se você não tem dinheiro para ir aos lugares com ele.

Finalmente, você precisa saber quais são as suas necessidades:

  • Você precisa carregar equipamento pesado? Pense em uma picape.
  • Você tem uma família grande ou dá carona para seus colegas? Pense em uma minivan, uma perua ou um utilitário esportivo grande.
  • Você mora em uma área onde precisa mais de tração? Pense em um utilitário esportivo com tração nas quatro rodas.
  • Você viaja longas distâncias ou usa o carro raramente? Se você viaja longas distâncias, pesquise carros que consumam pouco combustível.
  • Pense num carro flexível em combustível ("flex") se você mora numa região onde a diferença de preço entre o álcool e a gasolina é grande, caso do Sudeste. Você gastará menos reais para rodar. Mas como quase 90% dos carros disponíveis no mercado brasileiro são "flex", são poucas as chances de encontrar um só a gasolina.
  • Você precisa de um reboque - talvez para cavalos ou um barco? Considere uma picape pesada ou um utilitário esportivo com engate para reboque.
Há várias opções de escolha hoje. Saber suas necessidades é a maneira mais fácil de começar a eliminar algumas dessas opções. Eventualmente, com alguma pesquisa adicional, você conseguirá diminuir consideravelmente o número de opções.


Foto cortesia de Edmunds.com
Crédito: Scott Jacobs
O test-drive tem um papel essencial na compra de um carro

Sobre o carro

Quando descobrir qual carro você quer (ou quais carros quer ver mais de perto - pense em fazer um test-drive, em testá-lo), há algumas coisas que você deve saber sobre esse (s) carro (s) para que você consiga o melhor negócio possível quando estiver pronto para efetuar a compra. Você precisará saber o preço médio do carro, para não pagar mais do que deve, e ter uma boa idéia do preço-base (o preço de um carro sem nenhum opcional especial), indo a concessionárias e usando a internet. Deverá também ter uma idéia de quanto o revendedor vai acrescentar por vários opcionais como ar-condicionado, um CD player , direção hidráulica ou freios ABS. Se puder, tente descobrir qual é o preço de concessionária e negocie sobre esse valor. De acordo com o Consumer Reports, é muito melhor fazer isso do que negociar sobre o preço de tabela.

Além de visitar as concessionárias para fazer sua pesquisa, você também pode ler sobre o carro em revistas e sites especializados, descobrindo quais carros receberam as melhores classificações em itens como segurança, consumo e assim por diante. Quando sua lista estiver com poucas possibilidades, você deve reavaliar as marcas e modelos escolhidos.

Outra boa maneira de saber mais sobre um carro é perguntar para sua família, amigos, colegas de trabalho e vizinhos. Entre essas pessoas certamente encontrará alguém que tenha ou já teve um carro da marca ou modelo que você deseja.

Finalmente, se pretende usar o seu carro na troca, precisa saber o preço desse carro. Lembre-se que alguns revendedores ganham muito dinheiro pagando pouco pelo seu usado.

Pagamento

Preço de tabela x preço de mercado
O Preço de Tabela é o preço público sugerido pelo fabricante para cada modelo e suas versões, desde as básicas às mais dotadas dos itens opcionais de fábrica.

O Preço de Mercado (ou preço de venda praticado) é o que o mercado aceita pagar. Em qualquer caso o frete está incluído no preço.

Lembre-se de que o preço de mercado não inclui IPVA e licenciamento.

Ótimo, você encontrou o carro perfeito. Antes de pensar em comprá-lo, precisa saber como vai pagar por ele. Se, por algum milagre, você economizou o suficiente para pagar à vista, não precisará de financiamento. Porém, a maioria dos compradores faz a compra dando uma entrada e então financia o restante - fazendo pagamentos mensais até o empréstimo ser quitado. Lembre-se de que um financiamento é um empréstimo e, como em todos os empréstimos, você tem que pagar imposto sobre operações financeiras (IOF) e juros. Para não pagar uma fortuna em juros, você deve pagar o máximo possível na entrada.

Se você sabe que vai financiar o carro, precisa procurar a menor taxa de juros e atender às qualificações exigidas pela financeira. Talvez você esteja comprando um carro pela primeira vez ou tenha crédito perfeito, aí pode considerar-se aprovado. Leia com atenção as letras miúdas no contrato - a taxa de juros ao mês precisa estar claramente especificada.


Foto cortesia de Edmunds.com
Crédito: Scott Jacobs

Concessionárias de carros, como qualquer outro negócio, precisam ganhar dinheiro. Então, é bastante razoável assumir que os revendedores estão lá para vender um carro para você e ganhar o máximo possível na negociação. Como consumidor, você quer o melhor produto pelo menor preço. Para atingir esse objetivo, é preciso evitar as armadilhas mais comuns e caras na compra de um carro. Aqui estão alguns aspectos a serem considerados antes da compra:

  • Fique atento aos feirões e promoções.
  • A competição faz o melhor preço. Saiba o que os outros revendedores estão cobrando pelo carro e então a negociação será nos seus termos, não nos do revendedor.
  • Carros que precisam ser encomendados à fábrica NÃO devem custar mais que os carros para pronta entrega. Não seja enganado.
  • Tome cuidado ao deixar um revendedor localizar um carro que você queria em outra concessionária. Eles normalmente cobram taxas desnecessárias.
  • Não se deixe levar pelas propagandas. Faça sua pesquisa independente. E nas propagandas (principalmente nos panfletos), preste atenção nas letras pequenas no rodapé das páginas em que estão as verdadeiras condições de pagamento.
  • Ao comprar um carro novo, preste atenção se ele não está saindo de linha ou se há grandes modificações nas próximas linhas. Se isso acontecer poder haver problemas de peças de reposição.

Uma coisa que irrita a maioria dos compradores é saber que eles terão que negociar. Não tenha medo de negociar. Se você entrar na concessionária com uma idéia muito boa do que você quer e do quanto quer pagar, a negociação é problema deles, não seu. Você fez a sua parte e agora o revendedor tem que trabalhar para chegar o mais perto possível do preço que você quer pagar.

Um truque comum acontece depois que você decide comprar o carro: neste momento, o vendedor pode querer lhe vender toda sorte de acessórios, muitas vezes como condição para concretizar a compra. Isto pode significar de centenas até milhares de reais. Não caia nessa armadilha. Você concordou com um preço correspondente a um carro conforme sai da fábrica e não é obrigado a equipá-lo.

Não tenha medo de ir embora da concessionária se achar que está sendo explorado. Afinal, o dinheiro é seu e você não quer perdê-lo só porque não reclamou.

Outra tentativa de arrancar mais dinheiro do seu bolso é o despachante que trabalha para a concessionária cobrar muito pelo serviço de licenciamento. Os valores de IPVA, seguro obrigatório (DPVAT) e taxa de licenciamento são fixos e conhecidos (o despachante é obrigado a lhe informar), de modo que você pode e deve negociar esse preço


Foto cortesia de Edmunds.com
Crédito: Scott Jacobs

Conforme o Car Buying Tips.com (em inglês), mais uma coisa para se manter em mente é que compradores que colocam seu carro usado no negócio estão entre as pessoas mais crédulas do mundo. Os revendedores de carro podem fazer pilhas de dinheiro oferecendo um valor abaixo do valor de mercado para seu carro usado. Além disso, eles já estão lucrando bastante com sua nova compra. Certamente também venderão seu carro usado por muito mais do que pagaram. É comum, por exemplo, eles avaliarem o seu carro considerando o ano de fabricação e não o ano-modelo, de maneira a desvalorizá-lo, mas na hora de revender o carro que foi seu, o que vale é o ano-modelo.

Se você estiver armado com uma idéia realista do valor do seu usado, saberá se o revendedor está tentando levar vantagem. Se além do usado você ainda tem dinheiro para dar de entrada e seu usado está em boas condições, pode considerar vender o carro por conta própria. Nesse caso, você pode conseguir um preço melhor pelo carro.

Se você comprar um carro usado, ele ainda pode estar na garantia contratual do fabricante ou você terá a opção de comprar a garantia estendida. Qualquer tipo de garantia que você tenha, saiba o que está coberto e o que não está.

Se você desconfia que comprou um "abacaxi" ou um carro ruim, você pode recorrer. O Código de Defesa do Consumidor permite que você processe um revendedor por vender um carro ruim. Se você está se sentindo enganado, veja o que pode fazer sobre isso. Visite o site do Procon para ter outras dicas de cuidados que se deve ter na compra de um carro usado.


Foto cortesia de Edmunds.com
Crédito: Scott Jacobs

Quando você fizer uma compra grande, não dê chance para o azar. O único modo de aumentar suas chances de fazer o melhor negócio possível é saber de tudo antes de ir às compras. Se você sabe que tipo de carro quer, o quanto espera pagar por ele e quais são os seus direitos, deverá ter uma experiência positiva na compra. Assim, siga nossas dicas e esteja pronto para se divertir na estrada.

■ Como funciona a venda de um carro - Parte 1

Introdução


Há algumas decisões que você terá que tomar antes de vender seu carro. Você quer vendê-lo pela internet? Talvez colocar um anúncio no jornal? Concessionária? Revendedora? Participar de uma feira? As informações a seguir são úteis, não importa como você quer vender o seu carro.

Antes de fazer a venda, é importante entender o mercado. Por exemplo, conhecer o tipo de pessoa que se interessaria pelo seu carro ajuda a decidir onde colocar anúncios. Após fazer a pesquisa de preço do seu veículo, você determina o valor a ser cobrado e elabora um anúncio que chame a atenção. Você deverá preparar seu carro para a venda, lavando-o e limpando-o. É importante compreender como se deve negociar para obter o melhor preço e o que fazer se você se deparar com um esquema fraudulento ao comprar um carro.

Neste artigo, você aprenderá o que esperar do processo de venda de um carro, a fim de proporcionar uma experiência positiva para você e para o comprador.


O verão é a melhor época do ano para se vender um carro esportivo
O primeiro passo ao vender o seu carro é conhecer o seu mercado. Em outras palavras: o seu automóvel é um modelo popular no qual os compradores estariam interessados? Por acaso você teria que baixar o preço para vendê-lo, pois não há demanda? Conhecer o mercado - os potenciais compradores - irá ajudá-lo a responder estas perguntas.

Quanto mais você souber sobre as pessoas que estão interessadas no seu tipo de veículo, melhor conseguirá atingir este público. Por exemplo, se está tentando vender um conversível, você deverá anunciar nos meses mais quentes. Nesse período, as pessoas tendem a andar sem a capota. O mesmo acontece com os carros esportivos, que geralmente vendem melhor nos meses de verão. Se você está vendendo um sedã ideal para famílias, vai querer alcançá-las, possivelmente colocando um anúncio na edição de domingo no jornal local.

Conhecer o máximo possível sobre seu carro e sobre os potenciais compradores poderá lhe poupar tempo e dinheiro. Isso irá lhe ajudar a obter o melhor preço se você está vendendo o seu carro sozinho ou através de uma concessionária. Caminhões e vans que possam ser usados para o trabalho são sempre vendidos e têm preços competitivos. Cuidado para não subestimar o seu valor.

Use a internet e os classificados do jornal local para encontrar quantos carros similares há no mercado. Quando for comparar o seu carro aos similares listados, você deve levar em consideração fatores incluindo a idade do carro, as condições e a quilometragem. Lembre-se de que carros com quilometragem menor são mais caros.

O mais importante e que você deve lembrar antes de decidir vender o seu carro é que vender por sua conta é mais lucrativo do que pela concessionária. Se você decidir vender pela concessionária, cuidado com valores muito altos e muito baixos.

Quando a concessionária lhe oferece um valor de mercado muito alto pelo veículo, é provável que vá usá-lo como parte de pagamento do seu carro novo. A concessionária cobrirá os prejuízos com o carro usado ao fazer você pagar um preço maior pelo carro novo. Assim, você não estará poupando nenhum dinheiro. Se a concessionária lhe oferecer muito pouco pelo valor de mercado do seu carro, ela pode estar sugerindo que você está obtendo um preço baixo pelo carro novo. Lembre-se de que você pode negociar um valor de mercado justo na concessionária, mas você pode conseguir um preço maior vendendo o carro por conta própria.

A maneira mais fácil de determinar o preço do seu carro é saber o que os outros vendedores estão pedindo através de anúncios online ou impressos.


Na internet , é fácil ver o que as outras pessoas estão pedindo pelo mesmo modelo

Você também pode encontrar no varejo o preço sugerido para o seu carro. A melhor maneira de encontrar esta informação é usar algum guia de referência, disponíveis na internet.

Uma dica importante é pedir um pouco mais do que você deseja aceitar de fato. Por exemplo, se você quer receber R$ 15 mil pelo seu carro, deve pedir R$ 15.500. Então, se tiver que baixar o preço, não será um prejuízo muito grande. Após ter se decidido, é hora de tornar o seu carro atraente para os compradores.


Faça uma boa lavagem no seu carro, para que fique com a melhor impressão possível
A primeira impressão é a que fica! Há algumas coisas que podem ser feitas para se assegurar de que você e seu carro deixem uma boa impressão no comprador em potencial.
  • Lavar, encerar, e limpar cuidadosamente o carro.
  • Tenha uma visão exata das condições do seu veículo inspecionando-o ou obtendo a opinião de um mecânico.
  • Tenha todos os registros de manutenção ou relatórios do mecânico para mostrar aos compradores.
  • Considere fazer reparos de baixo custo em amassos e arranhões, bem como em pequenos problemas mecânicos, ao invés de vender o carro como está.
  • Retire todos os seus pertences do carro. Se o comprador quiser fazer um test-drive, não é legal que o carro esteja amontoado de coisas.
  • Não se esqueça de limpar as calotas e lavar os pneus.
  • Limpe as janelas e todas as superfícies espelhadas.
Você deve esperar que os compradores investiguem o carro por completo. Se o carro estiver na melhor condição possível, você terá melhores chances de atraí-los.

Agora que o seu carro foi todo inspecionado e limpo, você precisa comunicar sua intenção de venda aos potenciais compradores.

Termos do Anúncio de Venda de Carro*
  • Preciso vender - isso geralmente significa que o vendedor está ansioso por se livrar do carro e poderá aceitar um preço mais baixo.
  • Aceito propostas - isso informa ao comprador que você poderá considerar ofertas abaixo do preço que você pediu.
  • Preço pedido - esse termo comunica que você tem vontade de negociar, mas que não aceitar qualquer oferta.
  • Preço final - este termo é usado para indicar que você não está aberto a negociações. Isso significa que o mais importante para você é conseguir o seu preço.

    *Fonte (adaptada): Edmunds.com

  • Algumas pessoas vendem carros anunciando "boca a boca", mas você pode não encontrar tantos compradores dentro do seu círculo de amizades e família. Por isso, deve anunciar. Há uma variedade de lugares onde você pode divulgar a venda do seu carro. Lembre-se de que alguns anúncios, como aqueles nos jornais de notícias, custam dinheiro, enquanto outros podem ser gratuitos.

    Aqui estão algumas opções para você anunciar o seu carro:

    • Anúncios classificados do jornal local.
    • Jornais semanais locais e jornais gratuitos.
    • Quadros de avisos em supermercados, bibliotecas e campi universitários.
    • Um anúncio "Vende-se" na janela do carro, com as informações de contato.
    Provavelmente será proveitoso anunciar em mais de um lugar. É importante lembrar que, assim que você anunciar, as pessoas vão começar a ligar para saber sobre o carro. Muitas hesitam em deixar mensagens, então, dê o melhor de si para atender todas as ligações.

    Decidir onde colocar o anúncio faz parte do quebra-cabeça. A outra é o que dizer sobre o seu carro. Você precisará incluir as características, a fim de atrair compradores. Isso inclui a marca, modelo, ano, cor e características especiais do carro. Você pode olhar outros anúncios para usar de modelo.


    Há mais coisas em um anúncio eficiente do que somente especificações do carro. Os aspectos mais importantes devem ser destacados. Por exemplo, se ele possui baixa quilometragem, diga isso. Apresente os aspectos que primeiramente o atraíram a comprar o carro. Ele é confiável? É econômico? Essas vantagens devem ser destacadas no seu anúncio, mas somente se forem verdadeiras. Evite exageros.

    Finalize o seu anúncio informando o preço pedido; alguns vendedores preferem não mencionar o preço, isto irá resultar em muitas ligações telefônicas de pessoas querendo saber do valor. Pode ser que não estejam querendo pagar aquilo que você quer pelo carro, por isso, é mais fácil mencionar o preço no anúncio. Inclua as suas informações de contato e aguarde as ligações.

    Saiba como negociar
    Alguém fez uma oferta pelo carro. O que você faz agora? Com um pouco de negociação se vai longe. O comprador irá pechinchar, por isso, tenha em mente o preço mínimo absoluto que você aceitaria pelo veículo e mantenha-se nele. Assim como quando você compra um carro novo, você vai querer sair do negócio se não for exatamente aquilo que você deseja. Se você já acrescentou um pouco ao seu preço base - digamos 5 ou 10% - pode negociar um preço que lhe seja aceitável.

    ■ Como funciona a venda de um carro - Parte 2

    Vendendo

    Uma vez que você recebeu o dinheiro da venda, você registrará a leitura do odômetro (quilometragem) e assinará o documento de propriedade do veículo. O departamento estadual de trânsito irá emitir um documento do veículo para o novo proprietário.

    Em seguida, você fará uma transferência de propriedade com cópia para ambos. Esse documento deverá incluir:

    • Nomes, endereços e números de telefone do comprador e vendedor.
    • A marca, o modelo, o ano, a quilometragem e o Número de Identificação do Veículo (VIN).
    • O preço total de venda e forma de pagamento.
    • Uma declaração dizendo que o carro foi vendido como estava, significando que não há garantia (a não ser que seja combinado de outra forma).
    • O comprador e o vendedor assinam colocando a data da venda.

    Certifique-se de que você e o comprador preencheram todos os formulários exigidos. Por fim, cancele o seu seguro, espere o cheque do comprador cair e transfira o nome do proprietário do veículo para o comprador. Depois, entregue as chaves ao novo proprietário.

    Ao seguir esses passos, a satisfação de ambas as partes estará assegurada.

    Evitando fraudes
    Como muitos de nós sabemos, a compra de carros usados é um negócio com muitas fraudes. Então, os vendedores precisam estar cientes desse risco. Aqui estão algumas das fraudes mais comuns:

    • Fraudes com Cheques Certificados - esta fraude é freqüentemente feita através da internet. Um comprador informa que quer comprar o carro e paga com um cheque próprio. No último instante, inventa um motivo pelo qual precisa preencher o cheque com valor maior, para que o vendedor lhe devolva a diferença. Na realidade, o cheque é falso. Isso só é descoberto depois que se devolve o dinheiro. O vendedor também é responsável por cobrir o valor do cheque falso. Para evitar fraudes com cheques, ligue para o banco emitente antes de aceitar o cheque. É conveniente aguardar pela liberação do dinheiro antes de transferir o carro para o nome do comprador.

    • Serviços de Fiéis Depositários Falsos - vendedores de carros online muitas vezes usam os serviços de fiéis depositários, que cobram e verificam o pagamento do comprador. O dinheiro fica retido pelo serviço até que todas as partes fiquem satisfeitas com a venda. Já houve casos de serviços de fiéis depositários operando através da internet. Verifique se o serviço de fiel que você deseja contratar é confiável.
    A melhor maneira de evitar fraudes é se certificar de que você nunca irá transferir a propriedade do seu carro até você ter o dinheiro na sua mão. Isso significa que você recebe dinheiro em espécie do comprador ou aguarda a compensação do cheque. Evite receber cheques pessoais e permitir que o comprador pague o carro depois do prazo. Se você seguir essas precauções, a venda do seu carro será uma experiência tranqüila.

    Problemas de pós-venda
    Finalmente, você deve estar pensando: "O que irei fazer se eu não estou satisfeito com a venda?" Se você sente que foi passado para trás, há várias coisas que podem ser feitas. Primeiramente, contacte a polícia local e registre ocorrência. Depois, pode entrar em contato com o serviço de proteção ao consumidor do seu estado, o Procon.

    Muitos estados não exigem que o vendedor do carro ofereça uma garantia do veículo. Assim, se o carro quebrar logo após ter sido vendido, você não é mais responsável. Para evitar problemas, certifique-se de que o carro tenha sido inspecionado por um mecânico. Se você for sincero quanto à condição do veículo, pode estar confiante de que fez tudo que pôde para ser um vendedor bem sucedido.

    Vender um carro deveria ser uma experiência positiva tanto para o comprador como para o vendedor. Na situação ideal, cada um recebeu o que queria: o comprador recebeu um carro e o vendedor, uma quantia em dinheiro. Conhecer o seu mercado, colocar um bom anúncio, negociar o melhor preço, finalizar a venda e saber o que se pode fazer se as coisas não forem bem, torna a venda do seu carro uma experiência positiva e descomplicada.

    quarta-feira, 21 de maio de 2008

    ■ Colabore com o trânsito - piadinha

    Dicas rápidas para você aprender a não ATRAPALHAR motoristas que sabem dirigir no trânsito caótico brasileiro.


    1. No semáforo, deixe a porra da primeira marcha engatada e quando o sinal abrir arranque. Não espere que o motorista de trás tenha que te lembrar.

    2. Quando um outro motorista ligar a seta avisando que precisa entrar na pista que você está, deixe de ser imbecil e deixe o cara passar. Certamente vai acontecer com você um dia e tu vai ficar puto(a) e histérico(a) se o outro não deixar você entrar.

    3. Se você não sabe fazer baliza, tenha humildade e procure uma vaga mais fácil ao invés de ficar fodendo a vida de quem está com pressa. Ah! Se você não gosta do seu carro, problema é seu. Isso não quer dizer que os outros motoristas acham legal que fiquem dando totó nos seus carros para estacionar.

    4. Largue de ser cavalo e aprenda que se a merda da placa do radar diz 60Km/h, é 60 de verdade e não 20 Km/h disfarçado, seu bosta.

    5. A vida anda muito corrida, por isso, se você gosta de passear pelas vias a 30Km/h, faça isso as 5h da manhã babaca.

    6. E por falar em passear, tem os vagabundos donos de rua que não saem da pista da esquerda e teimam andar a 20km/h numa pista de 80km/h. Se você ver alguém no seu retrovisor querendo passar, pode ser um mala ou uma emergência. Como você não é a Mãe Diná, não vai te cair as pernas se deixar o apressadinho passar.

    7. Que tal dar sinal de que vai entrar em alguma rua se você percebe que tem algum motorista esperando sua importante escolha?

    8. Se o seu namorado(a) vai te deixar na frente do shopping, deixem as preliminares para um local apropriado. Certamente não vai ser a última vez que você vai vê-lo, portanto, dê tchau e suma do carro !!!!

    9. Essa é pra você, idiota frustrado sexualmente que adora botar o rabo numa moto barulhenta do cacete: Por que você não bota a orelha na merda do escapamento aberto e acelera? Todo mundo sabe que o barulho da sua moto é inversamente proporcional ao seu tato com as mulheres.

    10. Nossa, um acidente !!! Será que machucou alguém conhecido?? Qual é, nunca viu uma porra de uma lanterna quebrada? Então anda logo seu viado que você não precisa ficar olhando com cara de otário pra ver a desgraça dos outros ou qualquer coisinha que acontece no trânsito e andando como se estivesse num cortejo fúnebre.

    11. Outra coisa que irrita são aqueles F.D.P. que geralmente desfilam com uma piranha do lado e páram o carro na vaga de idoso ou de deficiente. Isso porque tem duas pernas e um cu funcionando, porque merecia uma surra pra realmente precisar estacionar ali. Então, mesmo na pressa, deixa de ser mané e vai procurar tua vaga!

    12. Especial para nossos amigos da Polícia Militar e do DETRAN: Se é horário de movimento intenso, que tal escolher um local apropriado, parar a merda do carro e não fazer todo mundo andar a 40 Km/h prá ver a viatura nova com a porra das luzes ligadas se não tem nada acontecendo? Que tal cuidar de quem anda pelo acostamento ou tá com aquele Kombão fumacento fazendo lotação e atrapalhando todo mundo, ao invés de ficar revirando o carro dos outros pra achar uma lâmpada queimada e dizer: Ahaaaaa !!!! Como é que a gente vai fazer agora?

    domingo, 18 de maio de 2008

    ■ Dicas de como comprar pneus

    Introdução

    Os pneus têm sido o item de segurança mais importante há mais de 100 anos, afinal, eles são o único contato do carro com a estrada. Mesmo o mais forte motor, os mais fortes freios e o mais avançado sistema antiderrapante estão à mercê da aderência dos pneus à estrada. Cada movimento que o motorista faz, com o volante, com o freio ou com o acelerador, é transmitido à estrada através das quatro pequenas zonas de contato dos pneus.

    Se eles estão desgastados, murchos ou não são adequados ao ambiente, o carro e a vida do motorista e dos passageiros estão em risco. A maioria dos motoristas não conhece o suficiente sobre pneus para fazer uma compra adequada. Para alguns, a escolha se resume ao preço e à disponibilidade. Outros compram pneus baseados na aparência ou na marca. Neste artigo, daremos as informações básicas para que você possa escolher o pneu certo.


    Substituindo os pneus

    Podemos confiar na loja de pneus?


    De acordo com Bill VanderWater, da Bridgestone Firestone North American Tire, um vendedor de pneus deve fazer ao cliente as seguintes perguntas:

    * O que você gostou nos pneus originais do seu carro?
    * O que você não gostou?
    * O que você espera de um pneu?
    * O que é importante para você?
    * Como você usará o carro?

    Baseado nestas informações, o vendedor pode recomendar um pneu disponível em seu estoque que irá atender às necessidades do cliente.

    Ao comprar pneus novos, você terá uma série de opções. Tradicionalmente, a mais cara é retornar à concessionária em que você comprou o carro. Esta opção custará duas vezes mais do que se você procurar um revendedor de pneus.


    O revendedor local, seja ele parte de uma grande rede de lojas ou um pequeno revendedor, é provavelmente o melhor lugar para o consumidor médio comprar pneus novos. Os preços podem ser razoáveis e o gerente o ajudará a escolher o pneu certo para seu carro. Entretanto, os consumidores devem sempre pesquisar os melhores preços. Os preços dos pneus e dos serviços variam muito de loja para loja.

    Uma nova opção são os atacadistas de pneus, que vendem com ótimos descontos. Além do preço baixo, eles podem ser facilmente contatados via telefone ou e-mail. Quando o consumidor compra destes atacadistas, os pneus são enviados para a sua casa. É necessário que o próprio consumidor encontre uma loja para calibrar e montar os pneus. Em alguns casos, estes atacadistas oferecem descontos na montagem e instalação dos pneus em uma loja local. Para as pessoas que procuram modelos exclusivos ou difíceis de encontrar, esta é a única opção.

    Independente do lugar onde você comprará os pneus, há alguns pontos que merecem atenção:

    1. Saiba o tamanho e o tipo de pneu recomendado pelo manual do proprietário.
    2. Determine as suas necessidades e prioridades. Onde você vai dirigir? Você prefere um carro mais macio, mais firme ou uma mistura dos dois?
    3. Esteja certo de comprar um pneu capaz de suportar a carga que o seu carro irá carregar. Não compre um pneu de carro de passeio se você precisa de um pneu de utilitário leve.
    4. Não compre um pneu de uma categoria que você não precisa. Na maioria dos casos, um pneu para todas as estações será suficiente, mesmo quando o vendedor sugerir um pneu de passeio.
    5. Não esqueça que qualquer seleção de pneus é uma mistura entre qualidade de condução, eliminação de ruído, economia de combustível, desgaste, capacidade de carga e preço. O dever do revendedor e do consumidor é selecionar um pneu que, de preferência, englobe todos esses itens.
    6. Uma tendência de mercado é o "tamanho-extra". Isto significa montar rodas e pneus maiores para melhorar a aparência ou a dirigibilidade do carro.

    O "tamanho-extra" geralmente aumenta a resposta nas curvas e na tração, mas são acompanhados de um aumento na dureza do carro. Além disso, estas rodas e pneus maiores não são tão duráveis quanto os originais de fábrica.

    Veja alguns itens a serem considerados pelos consumidores que querem "tamanho-extra":

    1. esteja certo que o pneu e a roda estão aprovados para o uso no seu carro
    2. esteja certo que o estepe tem a mesma capacidade de carga
    3. a nova combinação de roda e pneu não deve ser maior ou menor que 3% do diâmetro original
    4. esteja certo que as novas informações sobre o pneu estejam no carro, para que os futuros proprietários saibam da calibragem correta

    ■ Em Curitiba, a STOCK CAR só deu Medley

    Andreas Mattheis acertou de novo e desta vez emplacou um trio de pilotos seus no pódio. Na terceira etapa da Copa Nextel Stock Car Ricardo Mauricio venceu pela segunda vez consecutiva, seguido por Marcos Gomes e Valdeno Brito.

    Átila Abreu terminou na quarta posição e o bicampeão Cacá Bueno, que havia largado em quarto, encerrou a prova em quinto lugar.

    Allam Khodair, que estava em segundo no grid de largada, não completou a prova.

    domingo, 11 de maio de 2008

    ■ Massa vence GP da Turquia e assume vice-liderança do Mundial

    O brasileiro Felipe Massa, da Ferrari, realizou uma corrida sem erros neste domingo e conquistou a vitória do Grande Prêmio da Turquia, sua terceira nesta pista de forma consecutiva. Com isso, ele deixa o autódromo de Istambul com a vice-liderança do Mundial de Pilotos. Lewis Hamilton, da McLaren, foi o segundo, e Kimi Räikkönen, da Ferrari, completou o pódio.


    Depois de largar na pole position, Massa mostrou que é o piloto com maior domínio da pista turca, mantendo o ritmo e cruzando a linha de chegada em primeiro, para garantir sua segunda vitória na temporada. Com isso, o brasileiro acumula 28 pontos, mesmo número de Hamilton, mas com uma vitória a mais. Räikkönen continua líder, com 35 pontos.

    A corrida na Turquia marcou a primeira vez na temporada que a Ferrari chegou a ser verdadeiramente ameaçada pela McLaren. Com uma estratégia de três paradas, a escuderia deixou o carro de Hamilton bastante leve durante boa parte da prova, permitindo que o inglês, inclusive, ultrapassasse Massa na pista.

    Os outros dois brasileiros fizeram uma corrida discreta. Rubens Barrichello, da Honda, largou em 12º, mas terminou somente em 14º no dia em que comemorou o recorde de 257 GPs disputados.

    Enquanto isso, Nelsinho Piquet, da Renault, completou o GP da Turquia na 15ª posição, após ter largado em 17º.

    Fonte: Do UOL Esporte

    sábado, 10 de maio de 2008

    ■ O que pode e o que não pode mudar no teu carro?

    Tipo

    Modificação

    Exigência

    Automóvel

    Cor

    Autorização da autoridade responsável pelo registro e licenciamento

    Combustível

    Certificado de Segurança Veicular - CSV

    Sistema de sinalização/iluminação

    Certificado de Segurança Veicular - CSV

    Sistema de suspensão

    1) Certificado de Segurança Veicular - CSV

    2) Proibido utilização de sistemas de suspensão com regulagem de altura

    3) Obrigatório constar no CRV e CRVL a nova altura. Medida verticalmente do solo ao ponto do farol baixo (original) do veículo.

    Sistema de rodas/pneus

    1) Proibido a utilização de rodas/pneus que ultrapassem os limites externos dos pára-lamas do veículo;

    2) Proibido o aumento ou diminuição do diâmetro externo do conjunto pneu/roda;

    Blindagem

    Certificado de Segurança Veicular - CSV

    Sistema de freios

    Certificado de Segurança Veicular - CSV

    Inclusão de película não-refletiva

    Regulamentação específica

    Visual

    Modificação no pára-choque, grade, capô, saias laterais e aerofólios, de forma que o veículo fique com características visuais diferentes daquelas do veículo original.

    segunda-feira, 5 de maio de 2008

    ■ Dicas - Conheça seu pneu

    TROCA DE PASTILHA
    Após a troca de pastilha de freio é necessário cautela nos primeiros 300km durante a frenagem.O pedal pode apresentar-se elástico, isso ocorre devido ao processo de assentamento do material de atrito, as pastilhas e disco.Durante este período, recomendamos que as frenagens sejam feitas com cuidado.


    MANUTENÇÃO DOS PNEUS
    Para que seu pneu tenha uma durabilidade e um desgaste regular faça rodízio, alinhamento e balanceamento a cada 6.000 ou 8.000 KM.Caso os pneus apresentem desgaste irregular, ou você sinta desconforto ao dirigir e vibração no volante, antecipe a revisão dos pneus.Calibre os pneus somente quando estiverem frios a cada 15 dias.

    ATENÇÃO:
    Desgaste interno ou externo nos ombros - Falta de alinhamento (convergência / cambagem / caster)Desgaste no centro da banda de rodagem - pressão alta nos pneusDesgaste dos ombros do pneu - pressão baixa nos pneusRachaduras - pneus com fabricação superior a 5 anos (verifique ítem 15 da seção entenda seu pneu)Bolha Lateral - rompimento da carcaça interna derivado de pancadas.Escamação pneus - Falta de balanceamento, alinhamento, rodízio, amortecedores com problemas ou defeitos na suspensão.

    SULCO DOS PNEUS
    Meça sempre o sulco dos pneus!Pneus de passeio novos medem cerca de 7 a 8 mm.Pneus de Pick-up novos medem cerca de 11 a 13 mm.Os pneus que estão com 3,0 mm (passeio) e 5,0 mm (picku up) considerando a parte mais baixa do pneu não oferecem mais segurança ao motorista e precisam ser substituídos.



    MÁXIMA DE CARGA ADMITIDA (Clique na Imagem)



    ÍNDICE DE VELOCIDADE



    ENTENDA SEU PNEU




    Aspecto exterior do pneu
    1 - Fabricante (Nome ou logo da marca).
    1a - Modelo do PNEU

    2 - Medida do pneu205 Largura do pneu em mm55 Relação de altura (correspondente a 55% da largura)R Construção radial15 Diâmetro do aro em polegadas

    3 - 87 = Indicativo do índice de cargaV = Indicativo do índice de velocidade

    4 - Tubeless - Pneus sem câmara ouTubetype - Pneu com câmara

    5 - País de produção

    6 - Índice de carga americano para carga máxima(545 kg. por pneu - 1201 libras)(1 libra é igual a 0,4536 kg.)

    7 - Tread: Quantidade de lonas q passam sob a banda de rodagem.(ex.: 1 lona de rayon, 2 lonas do cinturão de aço e 2 lonas de nylon)
    Sidewall: Quantidade de lonas da carcaça do pneu na sua lateral

    8 - Limitação americana da pressão de ar máxima que pode utilizar o pneu 44*(psi) (1 bar = 14,5 psi)

    9 - E = Significa que o pneu cumpre com os valores nominais exigidos pela norma ECE R 30(4) - Código para o país em que se realizou o ensaio. (neste caso a Holanda)

    10, 11 e 12 - USA: Garantia de que o fabricante do pneu respeitou os critérios de qualidade exigidos pelos órgãos oficiais para o pneu fabricado.
    Treadwear: A previsão de vida relativa do pneu de acordo a um padrão específico americano.
    Tração A, B, C - Capacidade de frenagem do pneu em piso molhado
    Temperatura A, B, C - Resistência do pneu às temperaturas provocadas pela velocidade elevada durante as provas de laboratório.

    13 - Número de autorização segundo a norma ECE R 30

    14 - Departament of Transportation (DOT)

    15 - Indica sob forma de código, as características do produto como tipo de pneu, medida, local de fabricação, etc... Os três últimos algarismos informam a semana e ano de fabricaçãoEX: 218 indica 21ª semana de 1998.A partir do ano de 2000 são 04 últimos algarismosEx: 2101 indica 21ª semana de 2001

    16 - INMETRO